quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Depois de um loooooongo dia e uma longa noite ontem... eu volto pro mundo real..
Tudo parece tão diferente.. engraçado como a maneira de sentirmos as coisas modificam nossa maneira de vivenciá-las de tal forma que parece irreal. Chego a duvidar de quem sou, mais que isso não sei dizer quem sou. É tudo tão intenso o tempo todo, que as vezes o simples fato de viver chega a ser cansativo, é uma luta constante simplesmente pra estar bem, pra existir.
Não sei como me sinto, as vezes sinto tanto, as vezes não sinto nada.. é tudo tão extremo e ao mesmo tempo tão intenso, a vida parece girar em torno disso.. Será que realmente um dia passa?
Algumas sensações não são desconhecidas, em algum momento já experimentei cada uma delas. No entanto, ao mesmo tempo, sem pausas, nesses ciclos, sem tempo pra pegar fôlego, têm sido cada vez mais difícil.
Minhas armas parecem estar se esgotando, já não sei mais onde mirar.. os sentidos vão se perdendo a tal ponto, que não sei mais pra que pegar fôlego.
Acabei de passar uma tarde mais calma, tranquila.. volto pra casa e a sensação de inutilidade em parceria com a inquietação (o que eu faço agora?) já começam a me bombardear..
Escrevo pela falta do que fazer,
pela falta ou excesso do "sentir",
escrevo pra me enganar,
pra ocupar a mente,
pra me manter lúcida,
pra passar o tempo,
pra sentir que existo..

Depois do nocaute de ontem eu só quero ficar bem.. me sentir protegida, segura..
Queria voltar a ser quem eu era, gostar das mesmas coisas.. ou ao menos gostar de alguma coisa o suficiente pra sair do lugar..

Um comentário:

Bruna Corona Franco disse...

Goste de você mesma, minha querida, assim do jeito que você é, intensa, uma flor no deserto, uma mundo inteiro em busca de um universo ao qual pertencer. Se ame assim, sem mais, sem menos. O resto você vê depois, há tempo, não se preocupe. Um beijo grande e um abraço para acalmar seu coracãozinho.

Bru.